Brasil, 22 de Agosto de 2019
04 de fevereiro de 2019

Gil Prando ministra workshop inédito na Hair Brasil 2019

Gil Prando


Com mais de 30 anos de experiência no mundo dos cabelos, Gil Prando – que é cabeleireiro no LabDudaMolinos, especialista em perucas e apliques e colunista deste site – levará para a Hair Brasil 2019 um evento inédito: o workshop “Renove seus conhecimentos técnicos trabalhando com perucas e apliques”, que acontecerá na segunda-feira, dia 15 de abril.


“Mudanças não param onde a busca pela perfeição é incansável”
 

Cada dia mais em alta, próteses e apliques têm a possibilidade de melhorar a estética capilar de toda e qualquer pessoa. Com tecnologias e técnicas cada vez mais avançadas, elas criam diversas possibilidades para a criação de novos visuais, sem parecer que não sejam os fios naturais. 

E isso atrai – e muito - os olhares de homens e mulheres que sofrem com quedas ou problemas severos nas madeixas ou daqueles que simplesmente desejam uma mudança no visual. Por isso, trata-se de um nicho de mercado interessante para profissionais cabeleireiros.


“O futuro vem para todos e a educação vai mostrar como cumprir o dever”
 

Mas, a experiência e o dom de Gil vão além do profissional, também são sociais! Ele é integrante do time da ONG Rapunzel Solidária, que corta cabelos de voluntários nas ruas para confeccionar e doar perucas a mulheres que estão passando pela quimioterapia no tratamento contra o câncer. E a importância  da ação social para captação do cabelo pelo profissional também será tema de seu workshop.

Conversamos com Prando para saber mais sobre o que está preparando para apresentar na Hair Brasil 2019 e conhecer melhor seu trabalho social.

Acompanhe:

HB – Vamos começar falando de novidades! Você terá um workshop na Hair Brasil 2019. Pode nos contar um pouco sobre ele?
Gil PrandoGil Prando –
Sim e é um evento inédito na feira! Vou abordar o corte de cabelos em próteses capilares de todos os tipos: perucas, apliques e afins. Além disso, vou mostrar ao vivo a confecção destas perucas e apliques, itens essenciais para embelezar homens e mulheres.

HB - Os cabelos são parte essencial do estilo de uma pessoa. Como o trabalho com perucas e apliques te fez enxergar e sentir esta realidade?
Gil Prando -  
Sou cabeleireiro há 30 anos e pós-graduado em tricologia. Ao longo de toda a minha trajetória, percebo que as pessoas estão com menos cabelos e/ou fios mais finos. Isso é causado, muitas vezes, pelo estresse ou fatores genéticos e mecânicos. Isso sem contar as escovas ácidas como progressivas e as descolorações em último grau que também trouxeram problemas sérios aos folículos pilosos, bem com desgastes na haste capilar. Neste contexto, para resgatar a autoestima e valorizar a imagem, as próteses (com alongamentos, apliques, enchimentos e outros) se tornaram soluções muito procuradas.

HB - Sobre o mercado de perucas e apliques, enxerga muitas oportunidades?
Gil Prando -
Este mercado já é crescente há algum tempo, pois cabelos artificiais ou naturais sempre foram utilizados para alongar ou criar um personagem. É um acessório indispensável na criação de um ‘modelito’.


“Direcionar profissionais para fazerem a diferença é fundamental”
 

HB - Você fala sobre renovação de conhecimentos técnicos. Nos últimos anos, houve muitas mudanças e avanços no universo das próteses? 
Gil Prando
- Mudanças não param no mundo da moda em geral, onde a busca pela perfeição é incansável. Sobre as próteses naturais, o que posso dizer é que estão quase perfeitas e os fios naturais que as compõem são a junção de várias mechas parecidas, nunca de uma única pessoa. Já as artificiais estão prontas no mercado e é quase impossível não achar que se trata de um cabelo 100% natural, inclusive por isso se chamam 100%. 

HB – E os apliques?
Gil Prando - ApliquesGil Prando –
Bem, garanto que eles vieram para ficar e as cores (azul, rosa, roxo, verde, etc.) não sairão mais da moda. Isso porque cor é energia e o mundo precisa de cor. Para aplicação, para não desgastar a fibra capilar com descoloração, utilizamos cola ou costura para as mechas coloridas. Assim, é possível mudar a cor sempre que desejar.  

HB - O lado educacional é muito forte na Hair Brasil. Como você enxerga este valor para profissionais e mercado?
Gil Prando -
Direcionar os profissionais da área de beleza para fazerem a diferença é fundamental. O futuro vem para cada um de nós e só a educação vai mostrar como cumprir o dever com dedicação. No meu segmento, por exemplo, compreender diferentes texturas para entregar um corte cada vez mais natural às próteses é essencial. Isso sem falar do cuidado, que todo é pouco, uma vez que o custo deste cabelo é bastante alto, girando em torno de R$ 2 a R$ 7 mil. Conhecer e estudar para colocar em prática é o único caminho das melhoras constantes de performance. 

HB - Você tem um trabalho social com a ONG Rapunzel Solidária. Pode nos falar um pouco sobre ele?
Gil Prando –
Claro, com muito prazer! Iniciei este trabalho com um corte solidário no meio da Av. Paulista, em São Paulo. Achei maravilhoso e foi – sem qualquer força de expressão - um sonho realizado, pois sempre quis cortar cabelos de pessoas desempregadas e com pouco recurso financeiro na rua, mas a legislação não permitia. A partir de então aceitei todos os convites da ONG e cortei madeixas nos Parques Ibirapuera e Vila Lobos, na USP, PUC, Mackenzie e várias outros locais como uma cidade do interior paulista, onde oferecemos as perucas para o Hospital que atende doentes da região de Jaú.

HB – E ele te trouxe alguma visão e/ou lição nova sobre a vida?
Gil Prando -
Sim, sem nenhuma dúvida! No início o ego vinha na frente, inclusive indico o livro "O ego é seu inimigo", de Ryan Holiday. Mas, ao conhecer crianças, mulheres e homens que, num país onde se cultiva os cabelões, doavam os seus fios sem nenhum apego, me emocionei muito. 

HB – E no fim, estes cabelos se transformam em perucas, que são doadas para mulheres que passam por uma quimioterapia, certo?
Gil Prando
– Isso, e o coração também precisa se segurar quando essas mulheres recebem as perucas, sempre com muita expectativa. O momento da troca do lenço pela peruca me inspira para um corte lindo. No final, quando o lenço vai para o pescoço e o sorriso largo está pronto para as fotos, tudo vale a pena. Sinto em cada evento que podemos amenizar a dor e trazer esperança e beleza para tantas pessoas. Em nenhuma escola, conheci tamanha variedades de texturas e curvaturas de cabelos e nem pude fazer cortes incríveis, treinando minhas habilidades e fazendo muitas pessoas felizes com este oficio, que é sagrado. Minha frase para a vida hoje é uma de René Lacoste: "Quanto mais eu treino, mais sorte tenho".  

 

Gil Prando                                                                                     
 

 
Mais notícias sobre Notícias da Feira | Voltar
ÁREA DO EXPOSITOR e MONTADOR
Usuário
Senha
Usuário
Senha